Amanhã vai ser diferente…

Você pode acabar com essa influência do passado que teima em fazê-lo pensar que todos os dias são iguais e que tudo o que vier amanhã, será uma sequência de ontem ou de hoje….

Perceba que cada dia é sempre um dia diferente. Que cada dia traz novas diferencias, novas oportunidades, novas possibilidades para que você, eu e todos os outros, possamos ter a oportunidade de começar algo novo, de aproveitar esse dia novo e fazer um novo diferente.

Quando fazemos diferente, podemos esperar por coisas diferentes, pois será isso que acontecerá.
Então…quando acordar amanhã, prepare-se para o que vier, perceba as diferenças e lide com elas. Quando você está prevenido, você prepara-se, então prepare-se porque amanhã será diferente, é outro dia, mas diferente.

Amanhã é o melhor dia para começar a fazer tudo diferente, e, aí sim, você vai poder e vai fazer do dia, uma dia melhor para si.

Se você chegou à conclusão que já tentou tudo e que tudo o que você fez não resultou…
Então fique simplesmente quieto, silencioso, sozinho e espere… nem precisa de esperar… apenas fique quieto e no silêncio da sua mente. É do nada que a actividade surge. É do nada que tudo sai e se expande e floresce.

Se surgirem pensamentos indesejáveis, intrusivos ou perturbadores, permita-se apenas a observá-los. Perceba que um pensamento só dura o tempo em que nos concentramos nele, se não nos concentrarmos nele, senão lhe dermos importância, ele simplesmente desaparece da mesma forma como apareceu, para dar lugar a outro pensamento. Nenhum pensamento resiste à “desimportância”. Todos eles querem ser e parecerem importantes, é por isso que eles aparecem. Mas nada nem ninguém, nem sequer um pensamento, resiste à indiferença.

A acção vem da inacção. “Tudo” nasce a partir do “Nada”.
Então… deixe acontecer…

Encontrando-se consigo, observando-se…

“Encontrando-se consigo, observando-se…”!

Você já se enfrentou, você com você, frente ao espelho?

Já tentou ver-se do outro lado, do lado do espelho, a olhar para si através do outro Eu que você vê no espelho?

O espelho é a melhor forma de nos vermos por inteiro, porque quando tentamos ver-nos sem um espelho, vemos muito pouco de nós, não é?

Olhe-se no espelho, olhos nos olhos, viaje lá para dentro daqueles olhos e pergunte a si próprio,

Àquele que está em frente ao espelho, tudo aquilo que precisa de perguntar…

Pode simplesmente perguntar: “Quem és tu?” E espere pela resposta…

Mas primeiro dispa-se de si, observe o seu outro Eu (aquele do espelho)

e perceba o que ele diz e também o que ele não diz…

O que é que podemos fazer para contactar connosco? precisamos de estar em paz interior,

olhar-nos,  vermos bem, aquilo que nunca observamos de facto.

– Tenho uma quase certeza que quando você se olhar no espelho completamente,

você vai ver coisas que nunca viu ou que talvez…apenas não tenha dado muita importância…

 

Então… Comece por fazer um pequeno exercício:

Olhe para a sua mão e perceba o que é: “uma mão”.

Olhe para a mão directamente e olhe para a mão no espelho.

Perceba tudo sobre a mão e como ela é completamente,

sinta-a e verifique cada detalhe, de um lado e do outro.

Depois da observação da mão, veja-se no espelho e perceba aquilo que nunca percebeu ou não ligou importância.

Isso, essa, é uma forma de sentir subtilmente o seu corpo.

Já viu que olhando-se no espelho é como se olhasse para o outro lado de você?

O seu lado direito, está no lado esquerdo e o esquerdo no direito…

Esta é a possibilidade de ver-se de outro ângulo, do ângulo em que as pessoas olham para si!

 Veja-se da forma como os outros olham para você!

E agora, você tem a possibilidade de perguntar-se a si próprio, algumas questões que provavelmente nunca colocou a si mesmo…

– Observe tudo e perceba todas as sensações que você vai sentindo…

– Perceba tudo aquilo que não se tinha apercebido antes…

– Essas sensações que você não tinha dado muita importância.

Eu sei e você também sabe que provavelmente, você nunca se observou tão profundamente…

Percebendo o que é um corpo, o seu corpo, você fica muito próximo de soltar a mente,

e observar com a mente, a mente no corpo…  Subtilmente.

Basta tomar mais atenção a si próprio. Perceber cada centímetro do seu Eu externo e depois ficará mais fácil entender e perceber o seu Eu interno.

Quando você fizer esta pequena experiência, você poderá ver que ela pode funcionar muito bem consigo, se você se permitir a experimentar…

A encontrar o seu Eu que estava “meio escondido” de você mesmo.

Eu acredito que se você fizer esta experiência, é muito provável que você consiga aproximar-se mais de você sem ter os medos a impedi-lo de ser você completamente

– Quando você estiver com você, em frente ao espelho, a tentar concentrar-se…

e se surgirem pensamentos que o tentam distrair, pergunte-se:

 “Se eu não quero pensar esses pensamentos, quem é que está a pensar esses pensamentos?”

 – Quando você faz esta pergunta, o silêncio vem suave e espontâneo, um silêncio fácil, dócil, de concentração e de foco. E os pensamentos?  Esses evaporam-se e deixam o espaço para a quietude que é o melhor espaço para a descoberta das suas consciências.

Você já está perto do seu espelho?!  

Faça o exercício e divirta-se consigo e com você.

Desde que a Felicidade ouviu o seu nome..

“Desde que a Felicidade ouviu o seu nome,

ela anda pelas ruas a tentar encontrar você”!!!

Uma frase de um místico sufista, chamado “Hafiz“.

E esta frase revela a mais provável verdade:
A felicidade tem andado à sua procura, por todo o lado, por todo o mundo…
Só que você não pára nessa incessante busca pela felicidade, e aí você não a encontra e ela não conseguirá encontrá-la a si também.

Quer encontrar-se com a felicidade? Então pare de procurá-la. Ela irá encontrá-la a si. Apenas fique quieta, silenciosa e atenta.

Quando você busca pela felicidade, você fica demasiado focada e a felicidade é subtil, subtil e inteligente. Ela sabe exactamente onde encontrá-la desde que você deixe um vestígio claro do seu movimento, um rasto nítido do seu andamento. E mantenha-se simplesmente atenta, sensível a qualquer movimento subtil do Universo.

Talvez a felicidade não seja da forma como você pensa que ela tem de ser. Talvez ela seja de forma diferente. Talvez até, ela já esteja bem por aí ao seu lado mas você está focada num ideal de felicidade que pode ser bem diferente da felicidade que tem procurado por si e você não a vê.

Enquanto ela não chega até si, vá construindo, passo a passo, no seu tempo, o ambiente ideal para receber a felicidade.

A felicidade gosta de fantasia, de magia e de harmonia…

Como lidar com os medos

F.E.A.R.

Falsa Evidência Aparentemente Real

Como você sabe, o medo não existe. Não é possível agarrar o medo, apalpá-lo. Você não diz:

“Olha ali o medo”! “O medo vem ali ou está ali“!

– O medo É uma mera ilusão da mente.

Quando você começa a perceber e a entender que o medo que você pensava estar a sentir, não é real, é uma construção da sua fantasia, Você começa a aperceber-se do poder de desconfigurar esse medo e configurá-lo em algo útil para si.

O medo do medo é mentiroso e manipulador. Ele trava-nos a coragem e a vontade de enfrentar os desafios e assumir riscos com clareza e determinação.

Uma forma de você lidar com o medo, é: estando consciente de que ele não existe, você pode entrar no jogo dele, brincar ao faz de conta e fingir que ele não existe, que ele é apenas ilusão.

Perante um medo, finja que está com medo, embora você saiba que não está com medo, quando não existe razão para sentir medo. No entanto o facto de fingir, irá aguçar a sua imaginação e tranquilizá-lo no momento. O importante é não deixar que o medo o assuste.
Quando você sabe que uma coisa não existe, você também sabe que não deve nem pode ter medo disso.
Então a melhor forma de lidar com o medo é lidar com ele como você lida com todas as coisas que você sabe que não existem.

Não lhe dê importância, ignore-o simplesmente.
Os medos vêm do receio de falhar, de ficarmos mal vistos aos olhos dos outros, das nossas incertezas, da rejeição, de mudanças, de fracasso, etc…
E têm sido esses e outros medos que o têm travado de conseguir, de fazer mudanças e de avançar. E normalmente, os medos estão ligados a pensamentos de futuro. Saiba que por definição, o futuro nunca chegará aqui… Quando ele vier, já virá transformado em presente, presente para si, para fazer dele o que quiser e como quiser.

Configure isso na sua percepção!
Medo e futuro, decididamente, não existem!!!
Quando o seu pensamento for sobre o futuro, você estará a imaginar probabilidades, não se iluda, deixe vir o que vier e depois lide com ele.
Quando você estiver com medo, você estará também a imaginar, não se assuste e não se iluda.

Quando usar a sua imaginação, use-a de forma útil para si. Quando estiver a sentir medo, pergunte para si mesmo: “Esse medo será realmente uma energia disfarçada? Será o velho medo a tentar manipular-me para uma derrota? Ou será o lado fortalecedor e reconfortante do medo que veio para me revigorar e me encorajar”?

Sentir algum medo é normal e até poderá ser muito útil quando você precisar de estar atento ás coisas reais, esse medo real, é um medo útil que poderá ajudá-lo a reagir ou a fugir em caso de perigo real.

Ajuste a sua percepção e quando sentir medo, pare e verifique se o medo se justifica…

Seja mais livre e mais solto, sem medos, principalmente sem medo do medo.